Aprenda Hebraico Online

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

COMO UMA PESSOA TORNA-SE SANTA?



Santidade diz respeito ao caráter transcendente de Deus (Lv 10.3). Como podemos nós, criaturas finitas que caímos em pecado, sermos santos como Deus o é? Nunca seremos transcendentes como Deus, mas seremos sempre criaturas finitas. Nossa santidade não é absoluta como a do Senhor. Isso não se refere a nossa própria natureza e nosso próprio caráter, mas ao nosso relacionamento com Deus.
Quando Deus declara que um lugar é santo, é porque Ele se manifesta lá (Êx 3.5). Quando Ele se retira, o local volta a ser comum. Quando Deus declara que um objeto é santo, como um altar, por exemplo, é porque foi feito da maneira prescrita pelo Senhor e aceito por Ele para Sua obra (Êx 29.44-46). Seu relacionamento com Deus santifica-o como nada mais poderia.
O mesmo se dá com as pessoas. É-nos dito que devemos ser santos porque Deus é santo (Lv 19.2; 1Pe 1.16). Tal santidade só pode ser imputada a seres humanos. Sem um relacionamento com Deus, a verdadeira santidade não se dá, não importa o quão boa, piedosa ou disciplinada a vida de uma pessoa possa ser. Só Deus pode tonar as pessoas santas (Êx 31.13; Lv 20.8; 22.32). Deus promete estar com Seu povo e fazer sua santidade possível (Is 35.8-10; Os 11.9).
A Igreja, assim como a Israel do Antigo Testamento, tem um relacionamento com o Senhor. Nossa adoção como filhos de Deus permite que nos tornemos pessoas piedosas (1Jo 3.2). A morte expiatória de Cristo, o Santo, torna possível a perfeição da santidade a todos pela fé (Rm 5.12-21). Podemos ser santos diante de Deus, bem como em nossa conduta para com os outros.

SANTIFIQUEMO-NOS
  • Por meio da obediência da fé: At 26.18.
  • Por meio do corpo como oferta a Deus: Rm 12.1.
  • Por meio do sangue de Jesus: Hb 10.29.
POR QUÊ NECESSITAMOS SER SANTOS?
  • Para agradarmos a Deus: Lv 11.44; 1Ts 4.1.
  • Para crescermos em Deus: 1Pe 2.2,3.
  • Para vermos a Deus: Hb 12.14.
  • Santos no amor: Mt 5.38-48; 22.37-39.
  • Santos no falar: Sl 15.2,3; Ec 2.7; Ef 4.29; Tg 3.2.
SANTUÁRIO, uma figura da igreja
  • Casa de Cristo: Hb 3.6.
  • Casa de Deus: 1Tm 3.15; Hb 10.21.
  • Casa espiritual: 1Pe 2.5.
  • Edifício de Deus: 1Co 3.9.
  • Morada de Deus em Espírito : Ef 2.22.
  • Templo de Deus: 1Co 3.16,17.
  • Templo do Espírito Santo: 1Co 6.19.
SANTUÁRIOS DE DEUS DURANTE A HISTÓRIA
  • A Igreja: Ef 2.20-22.
  • O corpo individual do cristão: 1Co 6.19.
  • O corpo de Jesus: Jo 2.19-21; Cl 2.9.
  • O tabernáculo de Moisés: Êx 25.8,9.
  • O templo de Salomão: 1Rs 8.6,10,11.
  • O templo de Zorobabel: Ag 2.7-9.
  • O templo do milênio: Ez 40 a 44.
Até a próxima!
Fica na paz!

sábado, 26 de maio de 2018

Que tipo de corpo, Jesus Cristo obteve depois da Sua ressurreição?


QUE TIPO DE CORPO,JESUS CRISTO OBTEVE DEPOIS DA SUA RESSURREIÇÃO?

Isso é um assunto de extrema importância para o crente, já que um dia nós teremos um corpo semelhante (Fp 3.21; 1Jo 3.2).
Aqui estão alguns fatos bíblicos a respeito da natureza do corpo ressurreto do Senhor:
Ele foi reconhecido em Seu novo corpo. É claro que algumas pessoas, inicialmente, não reconheceram Jesus, mas isso só ocorreu porque elas acreditavam que Ele ficaria morto para sempre! Logo, contudo, Ele foi reconhecido.
  1. Por Maria Madalena (Jo 20.16).
  2. Pelos dois discípulos no caminho de Emaús (Lc 24.31).
  3. Por Tomé (Jo 20.28).
  4. Pelos 11 apóstolos (Mt 28.17).
Seu corpo consistia de carne e ossos (Lc 24.39).
Ron Rhodes afirma este fato, corrigindo uma interpretação errônea de duas passagens:
Duas passagens principais no Novo Testamento, às vezes, são interpretadas erroneamente por líderes de seitas, para ensinar que Jesus ressuscitou dentre os mortos como uma criatura espiritual: 1Co 15.44-50 e 1Pe 3.18. Façamos uma breve análise dessas passagens.
1 Coríntios 15.44-50: é verdade que o corpo ressurreto é chamado de corpo espiritual em 1 Co 15.44. Entretanto, o principal significado de corpo espiritual aqui não é o de um corpo imaterial, mas sim de um corpo sobrenatural e dominado pelo espírito. "As palavras gregas soma pneumatikos (traduzidas nesse contexto como corpo espiritual) referem-se a um corpo dirigido pelo espírito, em contraste com um corpo que está sob o domínio da carne."
[...]Em seu excelente livro Soma in Biblical Theology, o estudioso de grego Robert Gundry afirma que: "Todas as vezes em que Paulo usava a palavra soma, ele referia-se, sem exceção, a um corpo físico". Assim, todas as referências ao corpo (soma) ressurreto do Senhor no Novo Testamento devem ser entendidas como um corpo físico ressurreto. Isso confirma a tese de que a frase corpo [soma] espiritual refere-se a um corpo físico sobrenatural e dominado pelo espírito.
O contexto em 1 Coríntios 15 indica  que, nos versículos 40-50, o significado que  Paulo tinha em  mente era sobrenatural. [...] Em contraste ao termo natural, a tradução sobrenatural encaixa-se muito melhor à linha de argumentação do apóstolo do que a palavra espiritual.
[1 Pedro 3.18] não se refere a uma ressurreição espiritual de Cristo; em vez disso, a passagem faz referência à ressurreição física de Cristo pelo Espírito Santo. Acredito que esse versículo esteja dizendo que Jesus ressuscitou dentre os mortos - ou foi vivificado - pelo Espírito Santo. A verdade é que Deus não ressuscitou Jesus como um espírito, mas O ressuscitou pelo Espírito Santo. (The Complete Book of Bible Answers. Harvest House.p.133,134)
Seu corpo trazia as marcas das chagas da crucificação (Zc 12.10; Jo 20.20,27; Ap 1.7; 5.6).
Seu corpo foi tocado e manuseado em diversas ocasiões.
  1. Por Maria Madalena (Jo 20.17).
  2. Por algumas mulheres (Mt 28.9).
  3. Pelos apóstolos (Lc 24.39).
Ele comeu e bebeu em pelo menos três ocasiões, conforme Pedro mais tarde testificaria (At 10.39-41).
Essas ocasiões ocorreram:
  1. Em Emaús (Lc 24.30).
  2. Em Jerusalém (Lc 24.41-43).
  3. Às margens do mar da Galileia (Jo 21.12-14).
Seu corpo não estava sujeito às leis do tempo e da gravidade, nem era limitado por elas. Isso foi demonstrado de maneira nítida em quatro ocasiões.
  1. Em Emaús (Lc 24.31).
  2. Em Jerusalém (em duas ocasiões). a) Primeira ocasião (Lc 24.36; Jo 20.19). b) Segunda ocasião (Jo 20.26).
  3. No monte das Oliveiras (Lc 24.51; At 1.9).
Corpo da ressurreição, como será?
  • Será incorruptível: 1Co 15.53
  • Será espiritual: 1Co 15.44.
  • Será eterno: 2Co 5.1.
Então.. que alegria! seremos iguais à Ele!!!!
Como será o nosso futuro corpo:
  • Corpo celestial: 2Co 5.4.
  • Corpo espiritual: 1Co 15.44.
  • Corpo eterno: 1Co 15.53
  • Corpo glorificado: 1Co 15.53
  • Corpo incorruptível: 1Pe 1.4; 1Co 15.42,53.
  • Corpo poderoso: 1Co 15.43.
  • Semelhante ao de Cristo: Fp 3.21.
Você vai gostar de ler:


Até a próxima!
Fica na paz!

sábado, 5 de maio de 2018

O que realmente aconteceu na torre de Babel?



Gênesis 11.1-4 não ensina que a humanidade tentou construir, estupidamente, uma torre que pudesse atingir o espaço sideral! Em especial, observa-se as palavras toque nos céus, no versículo quatro. Essas palavras estão em itálico na KJV, para demonstrar que elas foram incluídas pelo tradutor e que não estão no original em hebraico. Na verdade, a expressão quer dizer "cujo cume é o céu".
A evidência arqueológica sugere que a torre de Babel, na realidade, era um prédio dedicado à astrologia ou à adoração pagã aos céus. Entre ruínas da antiga Babilônia, há uma construção de 46m, com uma base de 121m. Ela foi construída de tijolos secos em sete andares, para corresponder aos planetas aos quais foram dedicados. Os inferiores eram pretos, a cor de Saturno, o seguinte era laranja, para Júpiter, e o terceiro, vermelho, para Marte, e assim por diante. Esses andares estavam cobertos por uma torre elevada, em cujo cume os signos do zodíaco estavam. Dr.Donald Barnhouse afirma esta interpretação:
Foi uma notória e desafiadora volta para Satanás e o início da adoração demoníaca. É por isso que a Bíblia sempre pronuncia uma maldição sobre quem consulta o sol, alua e as estrelas do céu. (Genesis: A Devotional Exposition.p.71)
Anos antes da construção da torre de Babel, Caim, o primeiro assassino do mundo, ouviu Deus dizer: Fugitivo e errante serás na terra (Gn 4.12). No entanto, os filhos  espirituais de Caim estariam rebelando-se contra o mesmo Deus, mas eles ansiavam por estar juntos, para que não tivessem o mesmo destino que Caim (Gn 11.4).
O teólogo alemão Erich Sauer relaciona a multiplicidade de línguas a um espelho quebrado:
O idioma original a partir do qual Adão nomeou todos os animais no paraíso era como um grande espelho no qual toda a natureza estava precisamente refletida. Porém, Deus havia despedaçado esse espelho, e cada pessoa ficou com apenas um fragmento dele; uma ficou com um pedaço maior; a a outra, com um menor; e agora cada pessoa vê apenas uma parte de um todo, mas nunca o todo completamente. (Dawn of World Redemption.p.82)
Assim, os diversos fones de ouvidos e as cabines de tradução nas Nações Unidas, em Nova Iorque, dão, hoje em dia, um eloquente testemunho do trágico episódio de Babel. Por isso, se chamou o seu nome Babel (Gn 11.9). O próprio Ninrode pode ter dado esse nome. Babel significa, literalmente, "portão de Deus". Portanto, embora a humanidade houvesse rejeitado o verdadeiro Deus, ela tentou amenizar sua consciência pesada reconhecendo um "grande arquiteto do universo" vago e impessoal. Mas isso não deu certo! Deus mudou o sentido da palavra Babel para significar "confusão".

Quando, onde e como começaram as distintas características raciais da humanidade moderna?

O Dr.Henry Morris explica como pequenas populações geram diferentes características genéticas de forma relativamente rápida:
À medida que cada família e unidade tribal migravam de Babel, elas não apenas desenvolviam uma cultura distinta, mas também características físicas e biológicas diferentes. Uma vez que elas conseguiam comunicar-se somente com membros de sua unidade familiar, não era possível casar-se com pessoas de outra família. Portanto, foi necessário estabelecer novas famílias compostas por parentes  muitos próximos, por pelo menos muitas gerações. Está bem definido geneticamente que ocorrem variações muito rápidas em uma pequena população endogâmica. [...] Em uma pequena população, contudo, os [...] genes que podem estar presentes em seus membros [...] têm a oportunidade de tornarem-se visivelmente expressos e até dominante sob essas circunstâncias. Assim, em pouquíssimas gerações de endogamia, características distintivas como pele, altura, textura capilar, e características faciais, temperamento, adaptação ambiental, entre outras, poderão associar-se a tribos e nações específicas. (The Genesis Record.p.276)
Até a próxima!
Fica na paz!

sábado, 17 de março de 2018

O que o Escritor de Eclesiastes quer dizer quando chama a vida de vaidade?

Eclesiastes foi escrito como um sermão pós-moderno. Ele começa com uma declaração chocante: É tudo vaidade (Ec 1.2), ou "fútil". O autor estava frustado com a injustiça e a incapacidade humana de endireitar o que está torto (Ec 1.15). Ele também estava frustado com a natureza transitória da vida e com o fato de a sabedoria ser incapaz de oferecer qualquer senso de garantia do que o amanhã pode trazer.
Embora o sábio de Eclesiastes seja tradicionalmente identificado como o rei Salomão, não há referências explícitas ao seu nome no livro. Isso, entretanto, não exclui tal possibilidade. Alusões à sabedoria de Salomão e ao seu estilo são evidentes no capítulo 2, e o escritor apresenta-se como filho de Davi, rei em Jerusalém (Ec 1.1). Além disso, extensas referências à vida sob um governo monárquico implicam um público-alvo inserido no contexto do reino unificado (décimo século a.C.) na história de Israel.
Contudo, o autor identifica-se apenas como Qohelet, um termo hebraico que significa "aquele que reúne ou ajunta". A maioria das versões bíblicas traduz Qohelet como "professor" ou "pregador", com base no entendimento de que o sábio Qohelet dirige-se a um grupo de pessoas. O texto deixa bem claro que as observações e a sabedoria nele contidas devem ser atribuídas ao Qohelet.
A palavra-chave em Eclesiastes é a palavra hebraica traduzida como "vaidade" ("hevel" (vapor); Ec 1.2; 7.15). Essa palavra expressa o cerne do juízo do Pregador em relação à vida neste mundo.
Em sua raiz, a palavra hebraica "hevel" significa "fôlego" ou "vapor". Ela é usada 78 vezes no Antigo Testamento, mas apenas três vezes com o sentido claramente físico (veja Sl 63.9; Pv 21.6; Is 57.13). Nas outras 75 ocorrências, a palavra é usada metaforicamente, para descrever o que é incompreensível, fútil, vão, falso ou irrelevante. O termo é geralmente usado para descrever a insubstancialidade, a irrealidade e a inutilidade dos falsos deuses (Dt 32.21; 2Rs 17.15; Is 30.7). Nesse sentido, "hevel" é o oposto de "glória", a presença substancial, influente e duradoura de Deus (Êx 24.15-17). Às vezes, ela representa o estilo de vida passageiro e momentâneo, como um vapor (Jó 7.16; Sl 144.4). Em outros casos, refere-se à falta de sentido e à frustração da vida (Sl 78.33; 94.11; Is 49.4).
Há muito, crê-se que a palavra "hevel" de Eclesiastes tenha o sentido de "vaidade", não no sentido de "valorização exagerada dos próprios atributos", mas no sentido de viver de modo fútil e sem propósito ou sentido.
Portanto, é com o fardo do excesso que o ser humano não consegue lidar. Tudo o que a vida oferece perde qualquer significado e propósito se Deus não estivar presente. 
O Qohelet (pregador), meramente com a aplicação da sabedoria, não encontra solução para o dilema da condição humana. Por isso, Deus pôs no coração do homem o anseio pela eternidade (Ec 3.11 NVI); assim, nós nunca ficaremos satisfeitos com coisas menores do que aquelas que são eternas. Nesse sentido, a sabedoria em si foi insuficiente para resolver os problemas da maldição observados pelo Qohelet; somente a revelação de Deus em Cristo seria capaz de proporcionar a reconciliação da qual o mundo necessitava tão desesperadamente.
Apesar de a solução para o dilema do hevel ter de aguardar a revelação futura em Cristo, o livro de Eclesiastes serve como literatura sapiencial ao oferecer para o homem um paradigma de como aproveitar ao máximo a vida durante sua permanência na terra. Primeiro, sabendo-se que a vida é passageira, a morte é inevitável e as circunstâncias do futuro estão fora do controle do homem, o sábio deve desfrutar da vida como um dom de Deus. Segundo, à luz do fato de que os caminhos enigmáticos de Deus na terra, certamente, serão seguidos por um justo juízo futuro, o sábio deve temer o Senhor e guardar Seus Mandamentos (Ec 12.13).
Pergunta para meditação:
Há algum propósito real na vida sem Deus?

Estudando Eclesiastes 2.1-11

Salomão conduziu sua busca pelo sentido da vida como se faz em um experimento. Primeiro, ele tentou perseguir o prazer. Em seguida, assumiu grandes projetos, comprou escravos, gado e ovelhas, acumulou riquezas, adquiriu cantores, acrescentou concubinas ao seu harém e tornou-se a pessoas mais importante de Jerusalém. Mas nada disso deu-lhe satisfação. "E olhei eu para todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também para o trabalho que eu, trabalhando, tinha feito; e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito e que proveito nenhum havia debaixo do sol".
Alguns dos prazeres que Salomão buscou eram errados, e outros eram dignos. Mas mesmo as buscas dignas eram vazias quando ele perseguia-as como um fim em si mesmos.
Devemos olhar além de nossas atividades e compreender nossas verdadeiras motivações. Seu objetivo de vida é buscar um sentido ou buscar Deus, que confere o sentido?
Salomão resumiu suas muitas tentativas de encontrar o sentido da vida como "vaidade", como perseguir o vento. Sentimos o vento quando ele passa, mas não conseguimos segurá-lo. Em todas as nossas conquistas, até nas maiores, nossos sentimentos bons são passageiros. Segurança e autovalorização são encontradas no amor de Deus, e não nessas conquistas. Pense em onde você coloca seu tempo, energia e dinheiro. Um dia, você irá olhar para trás e perceber que também estava apenas [agindo por vaidade], "perseguindo o vento"?
Com base em Eclesiastes 5.10-20, nós queremos mais do que temos. Salomão descobriu que isso é vaidade. Ele observou que aqueles que passam a vida obsessivamente buscando dinheiro nunca encontrarão a felicidade que ele promete. A riqueza atrai aproveitadores e ladrões, causa falta de sono e medo e termina em perda, pois deve ser deixada para trás (Mc 10.23-25; Lc 12.16-21).
Não importa o quanto você ganha, se você tentar criar felicidade acumulando riquezas, nunca terá o suficiente. O dinheiro em si não é errado, mas o amor a ele leva a toda sorte de pecado (1Tm 6.10).
Deus quer que vejamos o que temos com a perspectiva certa - nossas posses são um dom de Deus. Elas não são nossa fonte de alegria, mas um motivo para adorar o Senhor. Todas as coisas boas vêm dele (Tg 1.17). Os dons de Deus devem atrair nossa atenção de volta para Ele.
Não importa qual é a sua situação financeira; não dependa do dinheiro para ser feliz. Ficar satisfeito com o que temos é possível quando percebemos que em Deus já temos tudo de que precisamos para começar. Amém!

Até a próxima!
Fica na paz!


sábado, 17 de fevereiro de 2018

Qual é o significado da palavra encarnação?

Qual o significado da palavra encarnação?
Aqui, podemos ser auxiliados pelas definições de diversos teólogos:
A palavra encarnação significa em carne e denota o ato pelo qual o eterno Filho de Deus tomou para si mesmo uma natureza adicional, a humanidade, por meio do nascimento virginal. (Leia sobre o nascimento virginal AQUI) O resultado disso é que Cristo será para sempre a divindade imaculada, tendo-o sido desde a eternidade passada; entretanto Ele [também] possui eternamente uma humanidade verdadeira e impecável em uma só Pessoa (Jo 1.14; Fp 2.7,8; 1Tm 3.16).
O nascimento virginal foi o meio pelo qual a encarnação aconteceu, garantindo assim a impecabilidade do Filho de Deus. (ENNS, Paul. Moody Handbook of Theology.p.222).
No contexto da teologia cristã, o ato pelo qual o eterno Filho de Deus, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, sem jamais cessar de ser o que Ele é, o Deus Filho, tomou em união consigo mesmo o que antes deste ato Ele não possuía, [a saber] uma natureza humana, "e portanto [Ele] era e continua sendo Deus e homem em duas naturezas distintas, em uma só Pessoa, para sempre". (Westminster Shorter Catechism.Q.21). O respaldo bíblico para esta doutrina é amplo, por exemplo, Jo 1.14; Rm 1.3; 8.3; Gl 4.4; Fp 2.7,8; 1Tm 3.16; 1Jo 4.2; 2Jo 1.7 (Evangelical Dictionary of Theology. Grand Rapids. MI: Baker, 1984.p.555; também Ef 2.15; Cl 1.21,22; 1Pe 3.18; 4.1).
Isso refere-se ao eterno Filho de Deus sendo encarnado como Jesus de Nazaré. Refere-se ao momento em que, no instante mais sublime da história humana, Deus Filho tornou-se homem por intermédio da virgem Maria e viveu aproximadamente 33 anos na Palestina (Veja mais aqui: COMO ERA A PESSOA DE JESUS CRISTO). Foi então que Deus (mais precisamente, por meio do Filho) armou Sua tenda entre nós (Jo 1.14); quando Cristo não considerou a igualdade com Deus como algo a ser retido, mas humilhou-se a si mesmo, tomando a forma de um servo, e tornando-se obediente até a morte em uma infame  cruz romana (Fp 2.5-8).
Naquilo que C.H.Dodd chamou de tempos ainda por vir do Antigo Testamento, Deus falou-nos de diversas maneiras por meio de profetas, sacerdotes e reis; e, nestes últimos dias, na última era salvífica, Deus falou-nos por intermédio do Seu Filho unigênito e eternamente gerado (Jo 1.18; Hb 1.1).
A encarnação significa que Deus não estava satisfeito em simplesmente ter bons pensamentos sobre nós, ou em ajudar-nos enquanto se mantinha a uma distância segura de nós. Isso significa que Deus nos visitou para nossa salvação - Aleluia - "em nossa situação miserável", como expressou o antigo Atanásio. (Beacon Dictionary fo Theology. Kansas City: Beacon Hill, 1983.p.279).
A encarnação, portanto, envolve esse extraordinário ato divino pelo qual o Filho de Deus onipresente, onipotente e onisciente concordou em envolver de carne e osso Seu ser eterno e invisível e tomar sobre si mesmo uma natureza humana; tornando-se assim uma ponte de carne entre o Deus Soberano e o homem pecador. Em suma, a encarnação tornou-se a porta por meio da qual a divindade entraria na casa da humanidade!
Eugene Peterson habilmente traduz João 1.14 da seguinte forma: A Palavra tornou-se carne e sangue, e veio viver perto de nós (Bíblia A Mensagem).
Há mais de dois mil  em Belém, quando Deus se tornou homem, Sua nova natureza tornou-se permanente a partir daquele momento.Jesus jamais cessará de ser conhecido como o Deus-homem e será eternamente conhecido pelas cicatrizes que recebeu na cruz do Calvário! Isso se chama a perpetuidade da encarnação. Essa crença é corroborada por diversas passagens.
  1. Ele foi reconhecido por essas cicatrizes depois da Sua ressurreição (Jo 20.24-27).
  2. Ele é reconhecido por essas cicatrizes hoje no céu (Ap 5.6).
  3. E será reconhecido por essas cicatrizes na Sua segunda vinda (Zc 12.10; Ap 1.7).
Jesus Cristo tornou-se oficialmente o Filho de Deus na encarnação?
NÃO!
Os relacionamentos da Trindade sempre existiram, desde a eternidade passada.
Desde Gênesis 1, Deus é retratado como estando em um relacionamento. Encontramos uma indicação disso quando Deus diz façamos o homem à nossa imagem. Tratava-se do Deus Criador conversando com o Deus Filho com a intenção de criar Adão e Eva à imagem de Deus (plural). O que isso implica é que existe uma pluralidade na divindade a qual é refletida nas primeiras declarações das Escrituras inspiradas. Nós só pudemos compreender isso plenamente quando Jesus veio a terra e ensinou-nos a respeito do Seu Pai celestial que o havia enviado e, mais tarde, de outro Consolador a quem Ele havia de enviar, o Espírito Santo (Jo 14.16). Jamais houve um tempo em que o Pai existia sozinho sem o Filho ou o Espírito. O Filho é eternamente gerado, e o Espírito emana eternamente do Pai e do Filho. Em termos humanos, a [palavra] filiação denota duas ideias temporais: relacionamento e origem. Em relação à Trindade, [o conceito de] filiação implica um relacionamento eterno eternamente originado em Deus Pai.
Lewis Chafer concorda com essa análise:
É evidente que o relacionamento entre Pai e Filho expressa apenas as características de emanação e manifestação, sem incluir os conceitos habituais de derivação, inferioridade ou distinção no tocante ao princípio.
É provável que os termos Pai e Filho, tais como aplicados à primeira e à segunda Pessoa da divindade, tenham um caráter um tanto antropomórfico. O relacionamento sublime e eterno que sempre existiu entre essas duas Pessoas é melhor expressado ao entendimento humano em termos de Pai e Filho, mas sem qualquer implicação de que as duas Pessoas não sejam divinas em todas as particularidades do termo. (Systematic Theology. 1v.p.313-315).
Quando e onde o milagre da encarnação aconteceu?
A consideração positiva:
Ela ocorreu em Nazaré na ocasião do anúncio de Gabriel (Lc 1.35).
Em outras palavras, o milagre da encarnação foi a concepção sobrenatural do corpo de Jesus dentro do ventre de Maria sem o auxílio de um pai humano!
A consideração negativa:
Ela não ocorreu em Belém no momento do nascimento de Jesus. Pelo contrário, já que, se um médico estivesse presente durante o nascimento de Jesus (mas sem conhecer o histórico do evento), ele não teria encontrado nada incomum no parto em si.
O que significa o termo união hipostática?
A expressão união hipostática vem de um termo grego que significa "subsistência", referindo-se às naturezas divina e humana de Jesus. Basicamente, trata-se de uma verdade teológica que afirma que Jesus Cristo, desde a Sua encarnação, passou a ser, continua e para sempre será 100% Deus e 100% homem, 100% do tempo!

Amém!
Até a próxima
Fica na Paz!

sábado, 30 de dezembro de 2017

O que é maturidade espiritual?

O autor de Hebreus estava preocupado com a imaturidade espiritual de seu público. Ele queria dar àqueles irmãos um verdadeiro sustento espiritual, mas eles estavam agindo como bebês espirituais que necessitavam de alimentação básica, em vez de profundos ensinamentos; e não estavam atentos à Palavra de Deus. Eles foram cristãos o tempo suficiente para ensinarem outros, mas a sua crescente insensibilidade havia lhes deixado espiritualmente desinteressados. Eles não tinham maturidade para discernir a diferença básica entre o certo e o errado.
Por essa razão, o autor desafiou-os a amadurecer para que ele pudesse apresentá-los as verdades mais profundas acerca da fé (Hb 6.1-3). Assim como em outras partes do Novo Testamento, maturidade em Hebreus tem a ver com a capacidade de discernir a verdade espiritual (1Co 2.6). Os cristãos são exortados a ser maduros em seu pensamento (1Co 14.20). O Copro de Cristo amadurece mediante a capacitação dos cristãos e o conhecimento do Filho de Deus (Ef 4.11-16). O resultado é uma comunidade de fé unida em que o amor e a verdade edificam o Corpo de Cristo.
A maturidade espiritual não vem automaticamente com o tempo, mas com atenção à Palavra de Deus, pondo-a em prática em comunhão com o Senhor dia após dia e com a comunidade da qual se faz parte. E se temos uma comunidade! Caso não tenhamos uma comunidade pela qual é exposta, aos seus membros, todas as Verdade de Deus, busquemos uma vida de união com Cristo baseada em uma comunhão plena através da busca incessante do alimento supridor contido nas Escrituras Sagradas!

Estudando Hebreus 6.7,8
O escritor de Hebreus faz uma analogia à agricultura para explicar algo simples. Quando deus planta e cultiva o evangelho na sua vida e no seu coração, irá produzir maturidade espiritual. Mas, tentações ameaçam contaminar a plantação. Se o campo produzir somente essas ervas daninhas, as irão perder-se, e o campo ficará arruinado.
A vida de um cristão improdutivo cai na condenação de Deus. Você foi regado pela graça do Senhor com um claro e abundante ensinamento e pregação. Que desculpa você poderia dar para ter uma inútil e improdutível vida?
Alimente-se da Verdade de Deus em sua vida para que dê bons frutos. Não se acomode, nem espere só por pregações ou ensinamentos de outros! Busque amadurecer, se alimentando, também, individualmente; principalmente analisando, examinando as Escrituras, isso entre você e o Senhor! Isso envolve remover ervas daninhas de pecado antes que se enraízem e dominem sua vida. Mas, o campo não deve ser simplesmente livre de ervas daninhas; deve ser repleto de boas obras em crescimento. Isso inclui orações, jejuns, louvor espiritual, individualmente. Ninguém mais que você sabe a hora em que seu corpo físico precisa de um alimento mais consistente; assim também é a vida espiritual. Somente você, unido ao Senhor, Autor da vida, poderá proporcionar esse amadurecimento. Não vem de fora, do exterior para o interior. Vem de dentro da sua alma e observado pelo Pai das luzes, Soberano e Senhor. Como a jardinagem, a produtividade de sua vida é um empreendimento cooperativo envolvendo você e Deus.
Precisamos buscar ser CRENTE:
  • Eleito: 1Pe 1.1.
  • Gerado: 1Pe 1.3.
  • Guardado: 1Pe 1.5.
  • Contristado: 1Pe 1.6.
  • Provado: 1Pe 1.9.
  • Santificado: 1Pe 1.18.
  • Resgatado: 1Pe 1.18.
  • Purificado: 1Pe 1.22.

Existem oportunidades para você substituir o pecado com boas obras?
Existem oportunidades para você substituir seu egoísmo e soberba com o desejo de agradar e obedecer ao Senhor?
Não basta crescer!
É necessário, amadurecer!
Pensemos nisso!
Até à próxima!
Fica na paz!

Você vai gostar também de:
CRESCIMENTO ESPIRITUAL

sábado, 23 de setembro de 2017

O QUE É CONVERSÃO?

A palavra conversão (shub no hebraico; epistrophe no grego) é encontrada 14 vezes na Bíblia (veja Sl 19.7; 51.13; Is 1.27; 6.10; Mt 13.15; 18.3; Mc 4.12; Lc 22.32; Jo 12.40; At 3.19; 15.3; 28.27; Tg 5.19,20). Essencialmente, tanto os significados em hebraico como em grego referem-se a uma conversão dupla por parte de um indivíduo. Uma delas está relacionada ao arrependimento (um desviar-se de), e a outra à fé (um voltar-se para).
A. Arrependimento (grego metanoia).
O que o arrependimento não é.
a) Ele não é uma reforma, aquele ato pelo qual a pessoas vira uma nova página. O problema de se tentar fazer isso (como muitas pessoas fazem no dia de Ano Novo) é que todas as páginas antigas na vida da pessoa continuam sujas e manchadas.
b) Ele não é remorso, aquele ato pelo qual a pessoa se consterna pelo fruto do próprio crime, mas não pela raiz.
Aqui, temos dois exemplos bíblicos:
(1) Esaú (Hb 12.17; para entender todo esse contexto, leia Gênesis 27).
(2) Judas (Mt 27.5).
c) Ele não é penitência, aquele ato pelo qual a pessoa tenta compensar os próprios pecados com boas obras.
O que o arrependimento é.
Ele é uma mudança de ideia voluntária e sincera por parte do pecador, o que o leva a desviar-se do seu pecado. Observe que estamos falando de pecado e não de pecados. O verdadeiro arrependimento envolve desviar-se de um pecado específico, [a saber], a rejeição anterior a Cristo. Jesus especificou isso muito claramente para nós (Jo 16.7-11).
O principal interesse de Deus não é convencer um pecador a deixar de fumar, falar palavrão, berber e praticar o sexo ilícito, por piores que sejam esses pecados, já que isso não o salvará. O grande pecado que eventualmente condenará o pecador por toda a eternidade é a rejeição a Jesus Cristo. O arrependimento, portanto, trata-se de um desviar-se do terrível crime de desprezar o sacrifício do Senhor Jesus Cristo no Calvário.
a) Conforme expressado pelo ministério de João Batista (Mt 3.2,8).
b) Conforme expressado pelo ministério de Jesus (Mt 9.13; Lc 13.5; 15.7; 24.47).
c) Conforme expressado pelo ministério de Pedro (At 2.38; 3.19).
d) Conforme expressado pelo ministério de Paulo (At 17.30; 26.20).
B. Fé.
O que ela não é.
a) Ela não é um pulo cego no escuro.
b) Ela não é uma suposição.
c) Ela não é uma especulação.
d) Ela não é uma opinião ou hipótese.
O que ela é.
A fé é uma mudança de ideia voluntária e sincera por parte do pecador, o que o leva a voltar-se para o Salvador.
Quando ela ocorre.
Ela ocorre no instante em que um pecador envolve tanto a sua cabeça como o seu coração no que se refere às asserções de Cristo. Não é suficiente possuir apenas um conhecimento intelectual do evangelho. A fé bíblica demanda tanto o conhecimento mental como a aceitação do coração (Mt 7.26; At 26.27,28; Tg 2.19).
Como ela é produzida. (Rm 10.17).
Aqui, Paulo está dizendo que a fé vem pelo ouvir a mensagem, e a mensagem vem por meio da pregação de Cristo
Por que ela é necessária (Hb 11.6).
a) O pecador é salvo pela fé (Rm 5.1; Ef 2.8,9).
b) O santo é santificado (cresce na graça) pela fé.
Portanto, pela fé:
1. Vivemos (Rm 1.17).
2. Estamos de pé (2Co 1.24).
3. Andamos (2Co 5.7).
4. Combatemos (1Tm 6.12 ARA).
5. Vencemos (1Jo 5.4).
A moeda da conversão tem dois lados. O arrependimento é desviar-se do pecado, e a fé é voltar-se para Cristo. Paulo inclui ambos os conceitos durante sua mensagem de despedida aos anciãos de Éfeso (At 20.21).

Até à próxima!
Fica na paz!