Israel Institute of Biblical Studies

sábado, 13 de outubro de 2018

QUEM É O QUERUBIM UNGIDO DE EZEQUIEL 28?

VAMOS COMEÇAR COM:A HISTÓRIA DE TIRO 

(TIRO EZ 26.1 À 28.19).

1) A história de Tiro.
  • Tiro era uma antiga cidade fenícia, cujo primeiro registro na Bíblia está em Josué 19.29. Era a maior cidade comercial nos tempos do Antigo Testamento. Tiro - um nome que significa "rocha" - foi o centro do mundo mediterrâneo.
  • De acordo com Ezequiel (Ez 26.13) e com Isaías (Is 23.16), Tiro foi uma cidade de grande músicos e amantes da música.
  • A cidade exerceu grande influência durante os reinados de Davi e Salomão. Hirão, o rei de Tiro, foi amigo devoto de Davi (2Sm 5.11) e posteriormente ajudou o rei israelita e seu filho Salomão em suas obras de construção, sobretudo com o Templo (1Rs 5.1-12; 1Cr 14.1; 2Cr 2.3,11).
  • Tiro era composta por duas cidadelas, uma ficava no contorno da costa, aproximadamente 100km a noroeste de Jerusalém, outra, em uma ilha, a um quilômetro de distância do litoral, no mar Mediterrâneo.
  • No tempo da profecia de Ezequiel, os habitantes de Tiro estavam em rebelião declarada contra a Babilônia.
2) O pecado de Tiro.
  • Alegrou-se com a queda de Judá (Ez 26.2). A razão para esse sentimento foi o fato de a derrota dos judeus significar passagem livre para suas caravanas comerciais que vinham do norte para o sul, em direção ao Egito. Com o fim de Judá, essas caravanas não mais precisariam pagar pedágio.
  • Tiro vendera judeus como escravos aos gregos e aos edomitas (Jl 3.4-8; Am 1.9,10). (A) Nesse período, o regente era Itobaal II, que se vangloriava dizendo ser tão forte como um deus e mais sábio do que Daniel (Ez 28.2,3). A história, certamente, está cheia de outras pessoas cujo orgulho transformou-se na ruína delas. Observe, sobretudo, os casos de Senaqueribe (2Rs 18.33-35), de Nabucodonosor (Dn 3.15; 4.30) e de Herodes (At 12.21-23). (B) Pretendendo ser um deus, o regente de Tiro tornou-se um prenúncio do futuro anticristo (veja 2Ts 2.4).
  • A cidade foi totalmente corrompida pelo materialismo mais vulgar (Ez 27.4-25).
3) A punição de Tiro.
  • Várias nações se levantariam contra Tiro e viriam contra ela como ondas do mar (Ez 26.3). (A) O rei assírio, Senaqueribe, entre 701 a.C. e 696 a.C., conquistara parte da cidade continental, mas não conseguiu capturar a fortalecida ilha. (B) O rei babilônio, Nabucodonosor, também tentara conquistar a ilha e o continente durante 13 anos (585 a.C. -- 574 a.C.), mas, como Senaqueribe, falhara em capturar a parte da cidade envolta pelo mar.
  • Ezequiel profetizou que os muros da cidade cairiam, apesar da forte proteção que lhe era fornecida pelas águas. Do mesmo modo, o solo de Tiro seria raspado, deixando-a como uma pedra lisa. As duas cidadelas se tornariam um lugar para espalhar redes de pesca (Ez 26.4,5). Mais de 225 anos passaram-se sem que essa profecia se cumprisse. Contudo, em 332 a.C., Alexandre, o Grande, entrou em cena, e a parte da cidade protegida na ilha foi conquistada. O conquistador construiu uma ponte de interligação entre o litoral e a ilha, lançando sobre as águas os restos da antiga cidade continental. Ao fazer isso, ele literalmente raspou a costa, deixando-a lisa. Há poucos anos, um arqueólogo americano chamado Edward Robinson descobriu uma média de 40 a 50 colunas de mármore sob as águas próximo às praias da antiga cidade de Tiro. Voltando ao passado, sabe-se que após um cerco de sete meses, Alexandre invadiu a ilha e destruiu-a. Depois disso, as cercanias da área continental passaram a ser usadas pelos pescadores locais para espalharem e secarem suas redes.
  • Ezequiel afirmou também que a cidade nunca mais seria habitada (Ez 26.20,21). Tiro nunca foi reconstruída, apesar das famosas fontes de água fresca do Líbano, que produzem quase 40 mil litros de água diariamente.
  • Muitos dos navios de Tiro seriam destruídos por ferozes furacões (Ez 27.26,27).
  • Todo o mundo ocidental conhecido lamentaria e prantearia em razão da destruição da cidade (Ez 26.16-18; 27.28-36). Durante a tribulação, o mundo fará o mesmo diante da destruição da Babilônia (veja Ap 18).
4) A força por detrás de Tiro (Ez 28.11-19).
  • A identidade dessa força. Já notamos, em Ezequiel 28.1-10, que o profeta descreve o orgulho de Itobaal II, o regente de Tiro naquela época. Entretanto, Ezequiel agora se desloca para além da cena terrena e mostra-nos a criação e a queda de uma criatura angélica, inumana vil e depravada. Esse ser assustador é o próprio Satanás, a força verdadeira detrás da iniquidade de Tiro. Deus frequentemente fala com o diabo por meio de fontes indiretas. Exemplos: (a) Ele falou ao demônio ao falar com a serpente (Gn 3.14,15). (b) Ele falou ao demônio ao falar com Simão Pedro (Mt 16.23).
  • As características dessa força. 1. A perfeição da sabedoria e da beleza (Ez 28.12). O ser humano jamais foi descrito com esses termos, antes, pelo contrário (Veja Rm 3.23)! 2. Você estava no Éden, o jardim de Deus (Ez 28.13). Alguns acreditam que Ezequiel tinha Adão em mente ao descrever esse trecho, mas a narrativa de Gênesis não menciona em passagem alguma que as vestes do primeiro homem eram feitas com ouro e adornadas com toda pedra preciosa. 3. A obra dos teus tambores e dos teus pífaros (Ez 28.13). O Dr. J. Dwight Pentecost explica a que essa frase se refere: Instrumentos musicais originalmente eram feitos para louvar e adorar a Deus. Mas não era necessário que Lúcifer aprendesse a tocar um instrumento de música para louvar o Altíssimo, pois, para nossa surpresa, ele tinha um órgão integrado a si mesmo, ou seja, ele era um órgão. (Veja mais sobre QUERUBIM) É isso que o profeta quis dizer quando afirmou "a obra dos teus tambores...". Lúcifer, em razão dessa beleza, fez aquilo que um instrumento musical faria nas mãos de um músico habilidoso, ou seja, entoou uma melodia de louvor à glória de Deus. Ele não precisava procurar por alguém que cantasse uma doxologia - ele era uma doxologia. (Your adversary, the Devil.p.16) 4. O guardião querubim ungido (Ez 28.14). (a) Ele foi ungido - no Antigo Testamento, eram três os ofícios que requeriam unção: o profeta, o sacerdote e o rei. Sugere-se, nesse trecho, que Lúcifer tenha sido originalmente criado para trabalhar, sob Cristo, como profeta, sacerdote e rei, mas fracassou! Deve ter sido esse o motivo para que Deus separasse esses ofícios (veja 1Sm 13; 2Cr 26). (b) Ele foi um querubim guardião - o querubim era um tipo especial de ser angélico, cujo propósito era proteger a santidade de Deus (veja Gn 3; Êx 25; 1Rs 6; Ez 1; Ap 4). Evidências bíblicas e arqueológicas sugerem que tais seres tinham as aparências de um leão, de um bezerro, de uma águia e de um homem. Lúcifer aparentemente foi criado (entre outros propósitos) para demonstrar a obra terrena de Cristo, tal como apresentada pelos quatro evangelistas, (*confira abaixo:) 5. Você ficou orgulhoso por causa da sua beleza (Ez 28.17 NTLH). Eis o primeiro pecado e a autocriação do primeiro pecado em todo universo.

*OS QUATRO SERES VIVENTES DE EZEQUIEL E OS EVANGELHOS

A descrição de Ezequiel das criaturas, em 1.10, ecoa ao longo do Novo Testamento, dos Evangelhos ao Apocalipse.
  • Mateus (escrevendo aos judeus) descreve Cristo como um Leão, o Messias.
  • Marcos (escrevendo aos romanos) descreve Cristo como um Boi, o Servo.
  • Lucas (escrevendo aos gregos) descreve Cristo como o Homem perfeito.
  • João (escrevendo para o mundo inteiro) descreve Cristo como a Águia, o poderoso Deus.


Vamos analisar Apocalipse 4.6-8 - sobre a visão de João 

Ele vê e ouve o testemunho de quatro criaturas angelicais (Ap 4.6-8). Em grego, animal selvagem é therion. Porém aqui, a palavra usada é zoa (a raiz da palavra zoologia), que significa seres viventes.
a) Quem são esses quatro seres viventes?
J.vernon McGee acredita que eles sejam semelhantes às criaturas vistas por Ezequiel e Isaías:
Essas criaturas, da mais alta inteligência, estão na presença de Deus. Elas assemelham-se aos querubins de Ezequiel 1.5-10; 10.20 e aos serafins de Isaías 6.2,3. Ou seriam elas uma nova ordem de criaturas celestiais que ainda não havia sido revelada antes nas Escrituras? (Reveling through Revelation.p.43)
b) Qual é o seu propósito? Talvez,lembrar todas as criaturas ao longo de toda a eternidade do bendito ministério terreno e celestial de Cristo. Isso é sugerido pela sua aparência:
1. O primeiro era como um leão. Ele representa a posição de Cristo como Rei - conforme vemos no Evangelho de Mateus
2. O segundo era como um boi. Ele representa a posição de Cristo como servo - conforme vemos no Evangelho de Marcos.
3. O terceiro era como um homem. Ele representa a humanidade de Cristo - conforme vemos no Evangelho de Lucas.
4. O quarto era como uma águia. Ele representa a divindade de Cristo - conforme visto no Evangelho de João.

Até a próxima!
Fica na paz!