segunda-feira, 7 de março de 2016

E tu, Belém Efrata?

Por que o nascimento de Jesus aconteceu em Belém e não em Jerusalém, Atenas ou Roma?
Essas três cidades importantíssimas tornaram-se as capitais da vida religiosa, intelectual e política do mundo antigo. Jesus, porém nasceu em Belém. Por que? Podemos oferecer pelo menos três razões:

A razão profética.
  • Simplesmente falando, o profeta Miqueias previu que seria o lugar [do nascimento do Messias] cerca de oito séculos antes de Jesus nascer (Mq 5.2).
A razão simbólica.
  • O nome Belém significa literalmente "a casa do pão". Portanto, que lugar seria mais apropriado para o nascimento do pão da vida (Jo 6.35,48) do que a casa do pão?
A razão histórica.
  1. O último filho de Jacó nasceu ali (Gn 35.19). Sua mãe o chamou de Benoni, que significa "filho da minha dor", enquanto que seu pai o chamou de Benjamim, "filho da minha destra". Séculos mais tarde, Jesus também nasceria como um homem de dores (Is 53.3), e o Filho da destra do Seu Pai (At 7.55).
  2. Boaz, que mais tarde se tornaria o bisavô do rei Davi, nasceu ali (Rt 4.13,17).
  3. Davi, de cuja linhagem viria o próprio Salvador, nasceu ali (1Sm 16.1,12,13; Mt 1.1; Lc 2.4).
Que 15 profecias do Antigo Testamento foram cumpridas em Belém?

E os gentios caminharão à tua luz,
e os reis ao resplendor que te nasceu.(Is 60.3)
  1. O Messias viria (Gn 3.15). Esse versículo é referido pelos estudiosos da Bíblia como o protoevangelium, que significa "o primeiro evangelho". Deus agora oficializava o fato de que o Messias um dia viria. Alguém, certa feita, observou que Deus amou tanto o mundo que não mandou uma delegação!
  2. O Messias seria do sexo masculino (Gn 3.15).
  3. O Messias nasceria (Gn 3.15). Isso talvez tenha sido um choque para Adão e Eva. Adão havia sido formado do pó da terra, e Eva da sua costela, porém o Messias nasceria!
  4. O Messias nasceria de uma mulher (Gn 3.15). Novamente, é possível que este anúncio tenha surpreendido o primeiro casal, já que o homem é quem havia, num certo sentido, gerado a mulher. Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei (Gl 4.4).
  5. O Messias nasceria de uma mulher virgem (Is 7.14; Mt 1.18; Lc 1.34).
  6. O Messias nasceria em Belém (Mq 5.2; Lc 2.4; Jo 7.42). Ele não nasceria em Roma, o centro político; nem em Atenas, o centro intelectual; ou mesmo em Jerusalém, o centro religioso; mas, na humilde Belém, a casa do pão!
  7. De acordo com a revelação de Gabriel a Daniel (Dn 9.24-27), o Messias nasceria antes do final da profecia das 69 semanas (483). Esse período começaria em 444 a.C.
  8. O Messias possuiria uma natureza dupla (Is 9.6; Mt 1.23). Em suma, ele se tornaria o Deus-homem. Duas frases na profecia de Isaías são revelantes aqui: a) A frase um menino nos nasceu refere-se à Sua humanidade. b) A frase um filho se nos deu refere-se à Sua divindade.
  9. O Messias viria da linhagem de Sem (Gn 9.27). Sem (um dos três filhos de Noé), portanto, se tornaria um ancestral distante de Abraão (Gn 11.27) e da nação judaica.
  10. O Messias sairia da nação de Israel por meio da semente de Abraão (Gn 12.1-3; Mt 1.1). Essa profecia foi especialmente notável, já que Israel não se tornou oficialmente uma nação até os dias de Moisés, muitos séculos depois (Êx 19--20). Mesmo então, ela permaneceria um país pequeno e insignificante no Oriente Médio. Em termos de força militar, realizações culturais, invenções etc., Israel não faria nenhuma contribuição [relevante]. Sua missão, porém, era muito mais importante, já que o Salvador de todos os homens viria de seus limites.
  11. O Messias viria da tribo de Judá (Gn 49.10; Hb 7.14). A tribo mais antiga era Rúben; a tribo sacerdotal era Levi (Dt 33.8); a tribo mais rica, provavelmente, era Aser (Gn 49.2; Dt 33.24); e as tribos mais influentes, Efraim e Manassés; contudo, o Messias viria da tribo de Judá.
  12. O Messias viria da casa de Davi (2Sm 7.8,16; Mt 1.1; 22.41,41,42; Rm 1.3; Ap 5.5).
  13. O Messias seria adorado pelos reis magos, guiados por uma estrela (Nm 24.17; Is 60.3,6,9; Mt 2.1,9-11). a) A primeira profecia (Nm 24.17) foi feita por um falso profeta ganancioso chamado Balaão. b) A segunda profecia (Is 60) talvez tenha um cumprimento duplo, sendo que o primeiro ocorreu em Belém, e o segundo ocorrerá no milênio, quando todas as nações adorarão o Rei dos reis.
  14. O local de nascimento do Messias sofreria um banho de sangue. O cumprimento pleno dessa triste profecia envolveria dois banhos de sangue instigados por dois reis cruéis em duas cidades distintas. a) No Antigo Testamento (Jr 31.15). Em 586 a.C., Nabucodonosor destruiu a cidade de Jerusalém e escravizou muitos dos cidadãos. Reunindo-os  em Ramá, uma cidade oito quilômetros ao norte de Jerusalém, ele ordenou a morte dos doentes e das crianças pequenas, os quais não teriam condições de suportar a longa e difícil marcha até a Babilônia. Jeremias esteve presente nessa terrível ocasião (Jr 40.1) e descreve o pranto daquelas mães pela morte dos seus filhos. b) No Novo Testamento (Mt 2.16-18). Aqui, Mateus escreve que o cumprimento final da profecia de Jeremias ocorreu em Belém durante o reino do perverso rei Herodes.
  15. O Messias seria levado para o Egito depois de nascer! Essa profecia também tinha uma natureza dupla como a anterior. a) O cumprimento histórico no Antigo Testamento (Os 11.1). Isso deu-se quando Deus libertou Seu filho Israel do Egito (Êx 13--14). b) O cumprimento profético no Novo Testamento (Mt 2.13-15). Isso, é claro, deu-se quando Deus trouxe o Seu Filho ao Egito. Aqui, vemos uma ironia divina. 1- No Antigo Testamento, Deus tirou o Seu filho (Israel) do Egito num momento de perigo. 2- No Novo Testamento, Deus levou o Seu Filho (Jesus) para o Egito num momento de perigo. Cumprindo-se o que foi dito: [Quando Israel era menino, eu o amei; e do Egito chamei a meu filho (Os 11.1)].
Até a próxima!
Fica na paz!